Pré-diabetes: Sintomas, Fatores de risco, Diagnóstico e Tratamento

Você tem pré-diabetes? Descubra o que é, se produz sintomas, os fatores de risco, como é diagnosticada e o tratamento que seguir para revertê-lo.

pré-diabetes

Muitas pessoas têm dúvidas sobre as diferenças que possam existir entre os tipos de diabetes, quando esta já tiver sido diagnosticada após realizar os testes sanguíneos adequados e regulares, e a própria pré-diabetes. O certo é que, como certamente saberá, é óbvio que ambas têm relação com níveis de glicose acima do normal; esta glicose provém das diferentes refeições que comemos ao longo do dia.

De fato, quando uma pessoa apresenta esta condição têm maior probabilidade de sofrer de diabetes tipo 2, além de ter um risco maior de sofrer acidentes vasculares cerebrais ou doenças do coração. Muitos especialistas indicam que 1 em cada 3 pessoas com pré-diabetes desenvolve diabetes tipo 2.

O que é pré-diabetes?

Quando uma pessoa tem pré-diabetes significa que seus níveis de glicose no sangue são mais altos do que o normal. No entanto, não são suficientemente altos para que seja diagnosticado com diabetes.

É dizer, trata-se de um estádio precoce no contínuo hiperglicemia/diabetes.

Sintomas

A pré-diabetes é considerada como a “doença silenciosa”, pois não produz sintomas, de forma que a única opção para diagnosticar é através de rotina de análise de sangue, que medem os níveis de glicose no nosso sangue.

Quais são os fatores de risco?

Existem uma série de fatores de risco de pré-diabetes, cuja presença seja individual ou em grupo, podem levar ao pré-diabetes, ou levar ao especialista médico a suspeitar que ela já existe:

  • Idade superior a 45 anos.
  • Obesidade: sobretudo a existência de gordura abdominal.
  • Dieta pouco saudável: consumo de alimentos ricos em gordura e baixo consumo de frutas e legumes.
  • Antecedentes familiares.
  • Pouca ou nenhuma atividade física.
  • Diabetes gestacional durante a gravidez.

Como é diagnosticado?

A única maneira de diagnosticar a existência da doença é a partir da análise ou exame de glicose no sangue em jejum. Por outro lado, também se realiza a conhecida como teste de tolerância à glicose:

  • Exame de glicose em jejum: realiza-se pelo menos 8 horas após a última refeição, em jejum. É uma simples análise ao sangue que mede os níveis de glicose. Se estes níveis encontram-se entre 100 e 125 mg/dl existe pré-diabetes.
  • Teste de tolerância à glicose: consiste em tomar uma bebida com alto teor de glicose. Duas horas mais tarde, se faz outro exame de sangue que mostra a capacidade do organismo para poder processá-lo. Se este teste os níveis de glicose estão entre 140 e 200 mg/dl existe pré-diabetes.

Tratamento da pré-diabetes

A pré-diabetes é um distúrbio que pode ser revertido, com o tratamento adequado, de forma que os níveis de glicose no sangue podem ser alterados até situar-se em níveis normais abaixo de 100 mg/dl.

O tratamento a seguir é o seguinte:

  • Se houver excesso de peso e obesidade: deve-se reduzir o peso, praticar mais exercício físico regular e uma dieta hipocalórica.
  • Praticar exercício físico regular: se não pratica exercício físico regularmente, caminhar é uma das melhores alternativas. Recomenda-Se fazer ao menos 40 minutos a cada dia.
  • Siga uma dieta saudável e saudável: a melhor sem dúvida alguma é a dieta low carb. Opte por óleos de origem vegetal, peixes, legumes e frutos secos, como as nozes. Estes alimentos ajudam a equilibrar os níveis de glicose no sangue. Também destacam-se os cereais integrais. Por outro lado, aconselha-se a redução dos açúcares, farinhas refinadas e a gordura de produtos à base de carne.

Leia também: Maca peruana ajuda a controlar o diabetes

Os comentários estão desativados.